Semanas atrás comprei um notebook novo (um Toshiba M35X-s309) e estava em busca de uma distribuição de desktop para ele. Primeiro testei o Conectiva 10. Não reconheceu minha tela widescreen nem a interface wireless. Com algumas modificações funcionou legal, mas ainda não era o q eu queria. Depois testei o Suse 9.1. Também não reconheceu minha configuração de vídeo e wireless. Resolvi então testar uma nova distribuição de que tinha ouvido falar muito bem, a Ubuntu Linux. Uma distro baseada no Debian, com um CD de instalação apenas e com o Gnome 2.8 como desktop padrão. Queimei o cd e curti muito. Algumas coisas que observei: Instalação Apesar de ser baseada em “modo texto” é uma das instalações mais fáceis de se realizar. As telas são altamente explicativas. As traduções para o português estão muito bem feitas (ponto pra comunidade brasileira), todo meu hardware foi reconhecido, inclusive a tela wide e a interface wireless, a instalação do grub também é tranquila, reconhecendo o outro sistema operacional instalado e configurando tudo que foi preciso. Não há muita opção de escolha de pacotes, mas como a distribuição é voltada para o usuário desktop isso é um ponto a mais. Desktop Como qualquer distro voltada ao desktop que se preze, a inicialização termina no GDM, para que seja escolhido um usuário a ser usado. Nessa tela já dá para começar a perceber o capricho dado aos acabamentos. O Gnome 2.8 está muito bom. Muito estável e bem acabado, realmente é um dos desktops mais polidos que já vi no Linux. O automont de dispositivos como pendrives e cd-roms está perfeito, dando realmente a transparência que o usuário final gostaria. Quanto ao Nautilus, ele vem configurado para agir no “modo spatial” (cada diretório é aberto em uma nova janela). Confesso que a princípio não era muito fã desta abordagem, mas após algumas horas de uso você acaba acostumando-se e gostando. Aplicativos A instalação inicial conta com tudo o que um usuário precisa.O OpenOffice 1.1.2 também muito bem acabado, com ícones e fontes bem configuradas, o Evolution 2.0.2, o Firefox 0.93, Gaim 1.0, Gimp 2.0.2, etc. Somente faz falta o suporte aos arquivos mp3 nos aplicativos como o Rhythmbox, o que é facilmente resolvido instalando alguns plugins. A configuração de vários aspectos do sistema é feita pelas Gnome System Tools, muito úteis e fáceis de usar. Sistema Como falei, uma das vantagens do Ubuntu é ser baseado no Debian, contando assim com uma vasta comunidade de programadores e com uma grande quantia de pacotes. Com alguns comandos é possível instalar qualquer pacote disponível nos mirrors do Ubuntu.

Na minha opinião, o Ubuntu resolve aquele velho dilema dos usuários do Debian, usar a versão estável com pacotes antigos ou usar a versão em desenvolvimento, com pacotes mais recentes, mas não tão estável e sujeita a pequenos problemas. O Ubuntu possui os pacotes mais recentes e ainda sim a equipe de desenvolvimento presa muito pela estabilidade e qualidade do sistema. Se depender de mim essa é uma distribuição que veio pra ficar e vai ganhar muitos novos adeptos.